sexta-feira, 1 de junho de 2012

Dignidade recuperada!

Meu nome é Jovaldo dos Santos, sou natural de Quintana, São Paulo. Venho manifestar minha alegria em ser acolhido na Toca de Assis no mês de abril de 2008. Antes de chegar à Toca, eu era casado. Separei -me de minha mulher e fui morar nas ruas da cidade de Marília. Passei por momentos muitos difíceis e bebia muito. Fui me entregando a uma rotina de vida sem banho, sem me alimentar... Tal como é a vida na rua. Passei várias datas especiais nas ruas Dia dos Pais, Dia das Mães, Natal) longe da minha família.

Estava cego diante do poder de Deus, e, cada vez mais, me ausentando da sociedade. Acomodei-me na rua, sem sentido de viver. Dormia na antiga estação rodoviária de Marília. Em um dia chuvoso, passou perto de mim um senhor maltrapilho que me disse que a rua não era o meu lugar. Então, comecei a chorar... Pensei que estava louco, tendo algumas alucinações. Depois daquele dia, algo novo estava acontecendo comigo! Hoje, percebo que era Deus que estava junto de mim. Em uma das noites na rua, chegou para mim um “toqueiro” que me convidou para ir à Toca de Assis.

No outro dia, eu fui até lá. Estava muito fraco e os irmãos da Toca me acolheram na casa. Logo comecei a ajudar na casa (na parte elétrica). A partir daquele dia, fui vendo minha vida ser transformada por meio das orações! Como eu tenho boas condições físicas, acabei ajudando a cuidar dos outros acolhidos. Por causa do vicio do álcool, tive uma recaída e voltei, então, para a rua. Os irmãos foram ao meu encontro para que eu voltasse novamente para a Toca de Assis.

Depois desta recaída, continuei minha caminhada com o apoio dos irmãos que me acolheram novamente. Eles me deram toda a condição, ajuda e auxílio necessários, Saí da Toca de Marília e fui para a Toca de Londrina no ano de 2009. Em Londrina, continuei a minha caminhada, ajudando na casa e vencendo, pela graça de Deus, os vícios. Com a ajuda dos irmãos, consegui um emprego. Continuei morando na casa, mas trabalhando fora.

Através da Toca, descobri que a fraternidade e a bondade não são para serem ditas, mas vividas para com o próximo. Hoje, quando tudo parece não dar certo, clamo por Deus. E Ele me ajuda. No mês de dezembro de 2011, dei um passo em minha vida: adquiri minha casa e passei a morar sozinho. Mas, sou muito grato a Deus pelo tempo que vivi na Toca, pelos irmãos que me ajudaram a ser gente novamente e me entregando a Deus. Pela graça de Deus, venci os vícios, tive minha dignidade recuperada  e, hoje, sou muito feliz!  

Descobri o que é amar sem receber nada em troca. Descobri que, sem Deus, não sou nada. Graças à Toca de Assis, que me ajudou em meu fortalecimento espiritual, voltei à sociedade.  E, continuarei a me encontrar com Deus de uma forma definitiva, pedindo a Ele a graça de continuar no caminho no qual me encontro atualmente. Agradeço a Deus pela Toca, que me ajudou, acolheu e me incentivou a ser mais de Deus. A chegar onde cheguei.

Posso resumir a Toca de Assis em três palavras: HUMILDADE, FRATERNIDADE E ENTREGA (a DEUS).

Obrigado, Toca de Assis! Obrigado, Deus. CREIO QUE A TOCA DE ASSIS SEMPRE SERÁ MINHA CASA. AGRADEÇO A TODOS, DE CORAÇÃO!

Deus habita nos pequenos para estar no meio de nós!

Este é um dos tesouros da Missão de Sete Lagoas/MG: Wanderson dos Santos, carinhosamente chamado de “Tatá” (por gostar de bater fortemente as portas da casa...).

Acolhido desde 2002, ele marca a vida de muitos religiosos e leigos que por aqui passam. Teve complicações em seu desenvolvimento e possui demência acentuada. Andava no centro da cidade em meio aos esgotos e comendo de tudo.

Por gostar muito de carros e tentar
abri-los, apanhava muito por pensarem que estava roubando-os. Apesar de sua aparência forte, nem de longe é agressivo. Pelo contrário, é muito carinhoso!

Não fala, mas produz sons peculiares que nos permitem ver se está feliz ou bravo. Fica o dia inteiro atrás de algum religioso ou acolhido que lhe dê atenção e carinho. Se não encontra ninguém, sobretudo em momentos de oração, partilha e formação dos religiosos, faz de tudo para chamar a atenção,
 valendo-lhe o famoso apelido...
Contemplando nele a presença de Cristo, vemos Este que não se cansa de, insistentemente, nos buscar para que tenhamos uma vida de intimidade com Deus. Wanderson marcou e marca a história de muitos. Exige grande cuidado, atenção, carinho e amor... E, é, aqui, o instrumento de Deus mais eficiente para fazer os religiosos exercitarem a Virtude da Paciência!

Vemos em sua vida o grande cuidado de Deus, encaminhando-o até aqui. Assim, ele pode ter uma vida mais digna e ser amado, não por aquilo que possa ter ou oferecer, mas por ser o que é: filho amado de Deus!